Precisa de ajuda?

+ 55 11 3706-2995
[email protected]

Livro Impresso

Crítica à subjetividade jurídica: reflexões a partir de Michel Villey



Magalhães, Juliana Paula (Autor), Mascaro, Alysson Leandro (Prefácio)

Filosofia do Direito, Pensamento Jurídico, Subjetividade Jurídica


Sinopse

A Editora Contracorrente tem a satisfação de anunciar a publicação do terceiro volume da coleção “Pensamento jurídico crítico”, coordenada pelo ilustre Professor Alysson Mascaro.

Em “Crítica à subjetividade jurídica: reflexões a partir de Michel Villey”, da pesquisadora e professora Juliana Paula Magalhães, afirma-se que o pensamento jurídico do século passado foi dominado pelo juspositivismo, constante aliado do capitalismo e do liberalismo. Para a maioria dos pensadores do Direito, até então, não havia outra forma de entendê-lo. Entretanto, algumas descobertas científicas acerca do fenômeno jurídico possibilitaram a quebra desses parâmetros. Entre elas, se destacam os escritos do jurista e filósofo francês Michel Villey.

Pensador católico, avesso à modernidade iluminista e liberal que prega o individualismo, Villey defendeu posicionamentos que poderiam soar antiquados e serviram até mesmo de base para movimentos jurídicos reacionários. Entretanto, seu não juspositivismo foi fonte para muitos dos teóricos mais importantes do pensamento crítico marxista do século XX.

Este livro se propõe exatamente a investigar as múltiplas facetas desse que se tornou um dos pensadores mais expressivos da Filosofia do Direito contemporânea. Com notável capacidade filosófica e de pesquisa, Juliana Paula Magalhães concebe uma obra decisiva para a compreensão do pensamento de Villey, ao adotar o profícuo ângulo da reflexão acerca da subjetividade jurídica. É por esse caminho que a autora, mobilizando uma vasta erudição de referências, traça o valioso paralelo ente Villey e Evguiéni Pachukanis, considerado o maior pensador crítico marxista do Direito.

Nas palavras do prefaciador Alysson Leandro Mascaro: “com base nas mais rigorosas proposições marxistas, o humanismo que se agitava como apanágio da concórdia social do século XX nada mais é do que a manutenção dos direitos do indivíduo burguês e da exploração contratual do trabalho assalariado, ainda que em graus considerados ‘humanos’. No entanto, a potência crítica da filosofia de nosso tempo está justamente em não aceitar qualquer grau da exploração como sendo ‘humana’. Magalhães, apoiada em Marx, Pachukanis e Villey, faz tal trajeto exemplarmente”.

Metadado adicionado por Editora Contracorrente em 27/05/2022

Encontrou alguma informação errada? Perguntar para a Editora Contracorrente

ISBN relacionados

--


Metadados completos:

  • 9786553960121
  • Livro Impresso
  • Crítica à subjetividade jurídica: reflexões a partir de Michel Villey
  • --
  • 1 ª edição
  • Pensamento jurídico crítico
  • 3
  • --
  • --
  • --
  • --
  • Magalhães, Juliana Paula (Autor), Mascaro, Alysson Leandro (Prefácio)
  • Filosofia do Direito, Pensamento Jurídico, Subjetividade Jurídica
  • Técnicos
  • 320.01
  • POL000000
  • --
    --
  • 2022
  • 24/06/2022
  • Português
  • Brasil
  • acima de 12 anos
  • Livre para todos os públicos
  • 16 x 23 x 3 cm
  • 0.31 kg
  • Brochura
  • 408 páginas
  • R$ 95,00
  • 49019900 - livros, brochuras e impressos semelhantes
  • 9786553960121
  • 9786553960121
  • --

Sumário

Nota da autora

Prefácio

Introdução

Capítulo I – O direito em Michel Villey

1.1 percurso intelectual

1.2 as origens da filosofia grega. Platão

1.3 A Filosofia do Direito de Aristóteles

1.4 O Direito Romano

1.5 A Filosofia do Direito de Tomás de Aquino

1.6 A formação do pensamento jurídico moderno e a contemporaneidade

1.6.1 Antecedentes histórico-filosóficos: o nominalismo de Ockham

1.6.2 Os modernos e o Direito

1.6.3 O cenário jurídico contemporâneo

Capítulo II – Villey e o juspositivismo

2.1 Juspositivismo: origens e desenvolvimentos histórico-filosóficos

2.2 a ilusão do juspositivismo

Capítulo III – Villey e a subjetividade jurídica

3.1 A gênese filosófica da noção de sujeito de direito

3.1.1 Cícero e o estoicismo

3.1.2 Guilherme de Ockham

3.1.3 Lutero e Calvino

3.1.4 Francisco de Vitória

3.1.5 Francisco Suárez

3.1.6 Johannes Althusius

3.1.7 Hugo Grócio

3.1.8 René Descartes

3.1.9 Thomas Hobbes

3.1.10 Immanuel Kant

3.3 Villey: anti-humanismo e crítica à subjetividade jurídica

3.4 Villey e os direitos humanos

Capítulo IV – Villey e o Marxismo

4.1 Villey, Marx e os marxistas

4.1.1 Villey, leitor de Marx

4.1.2 Villey, paradigma de juristas marxistas na França

4.1.2.1 Nicos Poulantzas

4.1.2.2 André-Jean Arnaud

4.1.2.3 Michel Miaille

4.2 O Marxismo e o Direito

Capítulo V – Villey e Pachukanis: duas superações do juspositivismo

5.1 O Direito em Evguiéni Pachukanis

5.2 A gênese material da subjetividade jurídica

5.3 Subjetividade jurídica e norma: entre Villey e Pachukanis

5.4 O perecimento da subjetividade jurídica

Conclusão

Referências Bibliográficas



Áreas do selo: EducaçãoHumanidadesLiteratura estrangeiraLiteratura nacionalTécnicos

Em um ambiente marcado pela massificação e pela profunda mercantilização do conhecimento, a editora Contracorrente encarna uma proposta radicalmente alternativa. Avessos às simplificações que contaminam a produção literária, buscamos conteúdo de qualidade, apostamos em novos talentos, promovemos traduções de grandes obras estrangeiras, produzimos edições bem cuidadas e valorizamos os nossos autores. Tudo isso, em rigor, é um tributo à inteligência e sofisticação de nossos leitores, cuja fiel companhia agradecemos imensamente. Rafael Valim Gustavo Marinho Camila Valim "Navegar é preciso; viver não é preciso". (Fernando Pessoa)

Saiba mais