Precisa de ajuda?

+ 55 11 3706-2995
[email protected]

Livro Impresso

A restauração da infâmia



Mendes, Caio Cesar Tomioto (Autor), Batista, Nilo (Apresentação)

DIREITO PENAL, CRIMES DE MÍDIA


Sinopse

O novo credo criminológico-midiático, que dialoga numa íntima relação com a opinião pública, tem seu "núcleo irradiador na própria ideia de pena: antes de mais nada, creem na pena como rito sagrado de solução de conflitos", em resoluções muito mais simplistas (supersticiosas, um verdadeiro ato de fé) do que as oferecidas pelas teorias legitimantes da pena. Quando propagam o ódio ao criminalizado, por pouco não revelam a concordância com a ideologia da segurança nacional que reza pela eliminação do infrator, sendo perfeitamente possível estabelecer um paralelo com a comunidade do povo alemão (Volksgemeinschaft) idealizada pelos nazistas, onde existiam os condicionados biologicamente a fazer parte dela (intragrupo) e os excluídos (extragrupo) entre eles, os criminalizados.

Metadado adicionado por Tirant Lo Blanch Brasil em 20/10/2020

Encontrou alguma informação errada? Perguntar para a Tirant Lo Blanch Brasil

ISBN relacionados

9786586093582 (ISBN do e-book em PDF)


Metadados completos:

  • 9786586093599
  • Livro Impresso
  • A restauração da infâmia
  • --
  • 1 ª edição
  • --
  • --
  • --
  • --
  • --
  • --
  • Mendes, Caio Cesar Tomioto (Autor), Batista, Nilo (Apresentação)
  • DIREITO PENAL, CRIMES DE MÍDIA
  • Humanidades
  • LAW015000
  • 2020
  • 01/01/2020
  • Português
  • Brasil
  • acima de 12 anos
  • Livre para todos os públicos
  • 16 x 23 x 1.2 cm
  • 0.25 kg
  • Brochura
  • 173 páginas
  • R$ 60,00
  • 49019900 - livros, brochuras e impressos semelhantes
  • 9786586093599
  • 9786586093582
  • --

Sumário

SUMÁRIO

AGRADECIMENTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

APRESENTAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

SUMÁRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

1. CONCEITO DE PENA DE INFÂMIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

2. A HISTÓRIA DAS PENAS INFAMANTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

2.1 A TRANSCENDÊNCIA DA PENA DE INFÂMIA NO DIREITO ROMANO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

2.2 O DIREITO CANÔNICO E A PUNIÇÃO INFAMANTE AOS HEREGES E ÀS BRUXAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

2.3 O DIREITO FRANCÊS E A HUMILHAÇÃO EM PRAÇA PÚBLICA . . . . . 38

2.4 A INFÂMIA NAS ORDENAÇÕES PORTUGUESAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

2.5 O PELOURINHO E A MARCA DE FERRO NA PUNIÇÃO COLONIAL BRASILEIRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

2.6 A INFÂMIA SOBRE O TRAIDOR DA COMUNIDADE DO POVO ALEMÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

3. INDÚSTRIA CULTURAL, SOCIEDADE DO ESPETÁCULO E A QUESTÃO CRIMINAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

3. 1 A ORGANIZAÇÃO DO MERCADO COMUNICACIONAL BRASILEIRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

3. 2 A FORMAÇÃO DA NOTÍCIA CRIMINAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

3. 3 O JULGAMENTO MIDIÁTICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112

4. ENFIM, A RESTAURAÇÃO DA INFÂMIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

4.1 EXEMPLOS NACIONAIS DA ATUAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

4.2 A INFÂMIA CONTEMPORÂNEA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140

5. REFLEXÕES NORMATIVAS SOBRE O JULGAMENTO MIDIÁTICO E A RESTAURAÇÃO DA PENA DE INFÂMIA . . . . . . . . . . . 153

CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173