Precisa de ajuda?

+ 55 11 3706-2995
[email protected]

Livro Impresso

Direito societário, compliance e ética



Cortez, Luciane de Castro (Organizador), Kowarski, Clarissa Brandão (Organizador), Neves, Edson Alvisi (Organizador)

direito, societário, compliance, ética


Sinopse

A presente obra coletiva é fruto de uma parceria entre os cursos de Mestrado do Programa de Pós-Graduação de Direito Constitucional e o de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Direito, Instituições e Negócios, ambos da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF).

A obra coletiva foi dividida em duas partes de modo a permitir uma organização didática entre alguns conceitos básicos acerca do compliance na esfera societária, e na segunda parte apresentar algumas questões éticas enfrentadas pelas sociedades empresárias no exercício de sua atividade econômica.

Para abrilhantar a obra composta por professores da Universidade Federal Fluminense e pelos discentes integrantes dos referidos cursos, foi convidada a renomada jurista Dra. Luciane de Castro Cortez que possui larga trajetória na prática do Direito Societário e na implementação de políticas de compliance. Seu artigo intitulado "o Compliance Empresarial e a Responsabilidade dos Administradores
das Sociedades Empresárias no Microssistema Anticorrupção" apresenta algumas das principais alterações introduzidas no Direito Empresarial, com impacto direto sobre as atividades e a governança das sociedades empresárias - especificamente as caracterizadas no ordenamento jurídico como de responsabilidade limitada - especialmente com a edição da Lei n.º 12.846, de 2013. Com destaque para as alterações nos sistemas de controle das sociedades empresariais.

Metadado adicionado por Tirant Lo Blanch Brasil em 25/11/2020

Encontrou alguma informação errada? Perguntar para a Tirant Lo Blanch Brasil

ISBN relacionados

9788594774644 (ISBN do e-book em PDF)


Metadados completos:

  • 9788594774637
  • Livro Impresso
  • Direito societário, compliance e ética
  • --
  • 1 ª edição
  • --
  • --
  • --
  • --
  • --
  • --
  • Cortez, Luciane de Castro (Organizador), Kowarski, Clarissa Brandão (Organizador), Neves, Edson Alvisi (Organizador)
  • direito, societário, compliance, ética
  • Educação
  • LAW022000
  • 2019
  • 10/03/2019
  • Português
  • Brasil
  • --
  • Livre para todos os públicos
  • 14 x 21 x 1 cm
  • 0.279 kg
  • Brochura
  • 230 páginas
  • R$ 100,00
  • 49019900 - livros, brochuras e impressos semelhantes
  • 9788594774637
  • 9788594774637
  • --

Sumário

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO . 9
PARTE I - INTERLACES DO COMPLIANCE NA
ORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 13
CAPÍTULO 1
UM PANORAMA DO COMBATE À CORRUPÇÃO NO PLANO
INTERNACIONAL E NO BRASIL 15
1. A Corrupção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2. Evolução legislativa global anticorrupção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3. Convenções internacionais contra a corrupção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4. Evolução legislativa nacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5. Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
6. Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
CAPÍTULO 2
O COMPLIANCE EMPRESARIAL E A RESPONSABILIDADE
DOS ADMINISTRADORES DAS SOCIEDADES EMPRESÁRIAS
NO MICROSSISTEMA ANTICORRUPÇÃO 37
1. INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2. Responsabilidade dos administradores das sociedades na
legislação empresarial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3. O Compliance à luz da governança corporativa e os programas de
integridade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
4. O Compliance e os desafios do ordenamento jurídico
anticorrupção no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
5. Breve análise de proposta legislativa que altera a Lei
Anticorrupção, em trâmite na Câmara dos Deputados, com
impactos na atividade empresarial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
6. Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
7. REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
CAPÍTULO 3
GOVERNANÇA CORPORATIVA E COMPLIANCE:
DISTINÇÕES RELEVANTES SOBRE UM PROBLEMA COMUM 69

1. Corrupção como problema comum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
2. Governança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
3. Compliance . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
4. Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5. Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
CAPÍTULO 4
PROPOSTA DE METODOLOGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE
UM SISTEMA DE GESTÃO ANTISSUBORNO, BASEADO NA
NORMA NBR ISO 37001:2017 . 93
1. INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
1.1. Considerações iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
2. REFERENCIAL TEÓRICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
2.1. Compliance . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .98
2.2. Suborno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
2.3. Governança Corporativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
2.4. Legislação Brasileira Anticorrupção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
2.5. A organização ISO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
2.6. A Norma ISO 37001 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
3. MÉTODO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
4. PROPOSTA DE METODOLOGIA E DISCUSSÃO . . . . . . . . . . . 108
5. CONCLUSÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
PARTE II - QUESTÕES ÉTICAS INERENTES
AO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE ECONÔMICA 115
CAPÍTULO 1
LIMITES ÉTICOS AO PATENTEAMENTO DA VIDA . 117
1. INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
2. A BIOTECNOLOGA CONTEMPORÂNEA . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
3. BREVE HISTÓRICO SOBRE A PROTEÇÃO DAS
INVENÇÕES BIOTECNOLÓGICAS ATRAVÉS DAS PATENTES 129
4. O PATENTEAMENTO EM BIOTECNOLOGIA NO
ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO . . . . . . . . . . . . . . . . 134
4.1. RESTRIÇÕES A PATENTEABILIDADE NA
LEGISLAÇÃO NACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
5. LIMITES ÉTICOS AO PATENTEAMENTO EM
BIOTECNOLOGIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
CAPÍTULO 2
O DIREITO SOCIETÁRIO E A PROTEÇÃO AO MEIO
AMBIENTE INSERIDOS . 155
1. INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
2. EMPRESA NO CENÁRIO CORPORATIVO . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
2.1. Conceito jurídico de Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
2.2. Empresas transnacionais no cenário da responsabilidade social
corporativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
3. RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA COMO
INSTRUMENTO DE GOVERNANÇA GLOBAL . . . . . . . . . . . . . 165
3.1. Responsabilidade social corporativa: considerações preliminares 166
3.2. Proteção ambiental e responsabilidade social corporativa . . . . . 168
3.2.1. Pacto Global . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
3.2.2. Princípios de Ruggie . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
4. EFETIVIDADE DA RESPONSABILIDADE SOCIAL
CORPORATIVA NO CENÁRIO INTERNACIONAL . . . . . . . . . 187
5. CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
6. REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
CAPÍTULO 3
DO DEVER DE INFORMAÇÃO NO CDC AO LIVRE
CONSENTIMENTO . 195
1. INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
2. O BURACO NEGRO QUE É A INTERNET VERSUS OS
IMPACTOS DA (E NA) SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO . . . . . 198
2.1. As Vantagens e as Desvantagens da Sociedade em Rede . . . . . . . 200
2.2. A Pouca ou Nenhuma Capacidade de Barganha dos
Consumidores e o Consentimento Ficto das Relações de
Consumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
3. A INFORMAÇÃO E O CONSENTIMENTO COMO
DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
3.1. O Direito à Informação no CDC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
3.2. A Informação (e o Consentimento) na Lei Geral de Proteção
de Dados Pessoais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .218
4. CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
5. REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228